Categorias
Notícia Destaque Notícias

6 benefícios para se tornar doador de sangue

O sangue é responsável por transportar substâncias que são muito importantes para o organismo do ser humano, além de centralizar as defesas do sistema imunológico. Por isso, quando fazemos uma doação, estamos ajudando a salvar diversas vidas.

Vamos listar alguns desses benefícios. Mas antes de tudo, é importante saber quais condições são consideradas impeditivas para doação de sangue:

  • Gripes e resfriados, principalmente no momento atual em que vivemos;
  • Gravidez
  • Consumo de bebida alcoólica 12 horas anteriores à doação de sangue;
  • Tatuagem ou piercings feitos nos últimos 12 meses;.
  • Pessoas que tiveram hepatite após os 11 anos de idade, ou que usaram drogas ilícitas injetáveis, essas condições impedem definitivamente que seja um doador de sangue;

Bom, mas nossa intenção é falar sobre os benefícios, então vamos lá:

  • Uma doação de sangue pode salvar até quatro vidas
    Apesar de ser um ato simples, essa ação ajuda diversas pessoas que estão precisando de sangue nos hospitais.
  • O doador tem direito a um dia de folga no trabalho
    Esse direito está amparado pela lei, que está de acordo com os termos previstos no Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943 (Consolidação das Leis do Trabalho).
  • Não há riscos em contrair doenças na doação de sangue
    O material que é utilizado na doação de sangue é esterilizado e descartado
  • Seu organismo repõe rapidamente o sangue doado
    Em 24 horas seu organismo repõe o sangue que foi doado.
  • Ajudar outras pessoas faz bem para você também!

Agora que você já conhece os motivos para ser um doador frequente, não fique sem doar. Porque assim, é possível salvar milhares de vidas com uma simples atitude, pois esse gesto vale a própria vida para quem recebe.

Referência: https://drogariasantoremedio.com.br/como-doar-sangue/

Categorias
Notícia Destaque Notícias

Quais são as sequelas que o COVID-19 pode deixar?

A batalha contra o novo coronavírus pode não estar completamente vencida após a alta hospitalar.⠀Isso porque alguns sintomas podem persistir por meses e até anos, comprometendo a qualidade de vida dos “recuperados” da doença.⠀

Alguns deles incluem:⠀
Ansiedade e depressão;⠀
Fraqueza nos braços;⠀
Fadiga crônica; ⠀
Perda prolongada do olfato e paladar;⠀
Diminuição da capacidade respiratória;⠀

 

Procure sempre uma ajuda médica, caso ocorra algum sintoma desagradável persistente.

Categorias
Notícias

Declaração: Os transplantados poderão tomar a vacina?

A vacina chegou no Brasil, e agora?

Nas últimas semanas acompanhamos com expectativa o parecer da Anvisa sobre o uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford em razão da gravidade da pandemia do novo coronavírus.

O vírus que é transmitido de pessoa para pessoa, continua a se espalhar pelo mundo e nesse período de busca pela vacina contra a COVID-19, a ciência reforçou sua importância. Importância de nos dar respostas com estudos, testes e experimentos para trazer a cura de algo inesperado e desconhecido.

A vacina mostrou em seus ensaios clínicos que podemos confiar no imunizante, inclusive, ele deve ser encarado como prioridade coletiva em todo mundo para não favorecer a mutação do vírus.

Tudo é novo e em comparação com as vacinas que já existem, sabemos que:

  • Não há preferência por nenhuma vacina;
  • A vacinação consiste em duas doses obrigatórias com  intervalo de 21 a 28 dias entre elas;
  • As doses obrigatórias do vacina devem ser do mesmo fabricante/laboratório;
  • Quem teve o vírus também deve ser vacinado;
  • Pessoas com doenças autoimunes serão vacinadas;
  • Transplantados precisam aguardar, no mínimo, 3 meses para se vacinar contra a COVID-19;
  • Não se sabe ainda se a vacina é eficaz em pacientes transplantados;
  • Se apresentar quadro febril, a imunização deve ser adiada;
  • Após a aplicação da vacina, é preciso continuar fazendo o uso correto da máscara facial, mantendo o distanciamento social de 1,5 metro e a higienização regular das mãos;
  • Se estiver em tratamento de rejeição, converse com o seu médico sobre o melhor momento para ser imunizado;
  • Não altere a medicação porque está sendo vacinado.

No entanto, é importante destacar que dependemos dos profissionais de saúde e embora ainda tenhamos muitos casos graves, após quase um ano de pandemia, seguiremos ansiosos para que a resposta seja segura para a população em geral.covid19