Como as pedras nos rins são formadas

Blog de Notícias HRim

Pedras nos rins: você sabe como elas se formam?

Com formato que lembra um feijão, os rins são essenciais para o funcionamento do corpo: eles trabalham como dois grandes filtros do sangue. Assim, eles descartam as substâncias que não servem mais para o organismo e reabsorvem o que pode ser benéfico. 

O grande problema surge quando a pessoa costuma beber pouca água, por exemplo. Isso porque a falta de líquidos no organismo dificulta a dissolução dos elementos que podem formar as chamadas pedras nos rins, como o cálcio e o ácido úrico. Basicamente, é assim que surgem os cristais que se aglomeram e constituem os cálculos renais. 

Tipos de pedras nos rins

Como existe mais de uma substância capaz de formar o cálculo renal, sua composição é variada. Contudo, estima-se que em torno de 70% dos casos sejam decorrentes do acúmulo de oxalato de cálcio, enquanto os outros 30% sejam consequência do excesso de ácido úrico, cistina e algumas composições mais raras.

Principais sintomas e fatores de risco 

Quando uma pessoa está com pedras nos rins, o primeiro sinal que sugere o problema é a dor, que costuma ser muito forte, começando nas costas e se irradiando para o abdômen, em direção à virilha. Além disso, é possível notar a presença de sangue na urina, náusea e vontade de fazer xixi a todo momento.

  • Dentre os fatores de risco, destacam-se:
  • Excesso de sal na alimentação
  • Predisposição genética
  • Baixa ingestão de líquidos
  • Hipertensão
  • Obesidade
  • Infecção urinária de repetição

Como tratar o problema?

Quando as pedras são pequenas, com média de 7mm, o tratamento é bastante conservador, com mudanças na alimentação, aumento na ingestão de líquidos e uso de medicação específica. O esperado é que a pedra seja expelida pelo corpo de forma natural.

Entretanto, em casos de cálculos maiores, o médico pode optar por adotar uma medida mais invasiva, como cirurgia e litotripsia (bombardeamento das pedras por ondas de choque). 

Existe prevenção?

Como o organismo precisa de água para evitar a cristalização dos sais e a formação dos cálculos, a primeira regra de ouro é ingerir bastante líquido ao longo do dia. Além disso, maneirar em alimentos ricos em sal e oxalato é uma medida que ajuda na redução do risco do desenvolvimento do problema. Outras dicas importantes são: tomar cuidado com o consumo de alimentos que elevam o ácido úrico e se atentar ao uso de suplementos de cálcio.  

Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde (Ministério da Saúde) 

Confira também:

6 benefícios para se tornar doador de sangue

Quais são as sequelas que o COVID-19 pode deixar?

Declaração: Os transplantados poderão tomar a vacina?